Fichas de estrangeiros: como pesquisar no Family Search

O site Family Search disponibilizou, há uns bons anos, duas coleções de registros com “Cartões de imigração” de estrangeiros no Brasil, que permitem que muitas pessoas tenham a alegria de encontrar uma foto de seu antepassado (muitos desses registros contém fotos, principalmente aqueles emitidos a partir da década de 1950) ou identifiquem informações sobre a chegada deste ao Brasil. O melhor de tudo é que todos os registros estão indexados, então é possível fazer a pesquisa textual.

Antes de adentrar na pesquisa em si e suas possibilidades, convém destacar que estes documentos não são cartões de imigração, e sim fichas de controle arquivístico. Os da coleção São Paulo são da extinta Delegacia Especializada de Estrangeiros do Estado de São Paulo, enquanto os da coleção Brasil são Fichas de Qualificação emitidas por consulados do Brasil, referentes a estrangeiros desembarcados em portos e aeroportos brasileiros. A iniciativa para este tipo de registro adveio da publicação do Decreto-Lei Federal nº 406 de 1938, que estabelecia que todos os estrangeiros – tanto os que ingressassem no território nacional a partir do Decreto, quanto os que já estavam no país como residentes –  deveriam se apresentar à autoridade competente para registro. Como não havia um banco de dados digital (obviamente), as fichas serviam para o funcionário do órgão competente localizar rapidamente uma pessoa, e as de São Paulo remetem a um prontuário com informações mais detalhadas.

Voltando ao Family Search, nele há dois tipos de fichas disponíveis para consulta: as Consulares (da coleção Brasil), emitidas nos Consulados para ingresso de estrangeiros temporários ou permanentes, e as fichas da  Delegacia Especializada de Estrangeiros (da coleção São Paulo), relacionadas à emissão do Registro de Estrangeiro, também conhecido como “modelo 19”, para os residentes em São Paulo. No caso do Registro de permanentes, pessoas com idade superior a 60 estavam desobrigadas, por isso é difícil encontrar fichas de pessoas idosas.

Agora que já sabemos o que eram e para que serviram as fichas, vamos à pesquisa dessa coleção no Family Search. Eu já inseri no parágrafo anterior os links diretos para as coleções, mas se quiser saber como localizar do zero, segue: ao logar no site, você deverá selecionar a opção “Pesquisa”, e em seguida, “Registros”. No canto inferior direito da tela, na opção “Procurar uma coleção”, digite “cartões”, e logo verá as duas opções de pesquisa (São Paulo ou Brasil). Agora é só selecionar uma delas. Em ambas você entrará em uma página como essa:

pesquisar coleção FS

Como toda pesquisa em banco de dados, deve-se utilizar a máxima “menos é mais”. Nada de ir preenchendo todos os campos que vir pela frente. Comece informando o nome e sobrenome da pessoa que está pesquisando, e tentando todas as variações. Os quadradinhos ao lado dos campos devem ser selecionados se você quiser obter resultados da pesquisa exatamente iguais ao que digitou (não é recomendado).

Abaixo do botão “pesquisar”, você tem a opção de entrar diretamente no conjunto de imagens da coleção – caso queira passar horas olhando aleatoriamente estes arquivos.

Supondo que você digitou o termo “Giuseppe Rossi”, o resultado será esse:

resultados

Neste caso surgiram 99 resultados, o que nem é muito para olhar um a um. Porém, se considerar muito, ou se pesquisar um nome que aparecem centenas de resultados, você pode refinar a pesquisa, inserindo o nome de um dos pais ou cônjuge, se souber, ou indicar o intervalo de anos em que a pessoa possa ter nascido.

Ao localizar o nome da pessoa que lhe interessa, clique sobre o nome dela, e verá mais informações sobre o registro e opções do que poderá fazer com ele. Observe, na imagem abaixo, que o botão em azul possibilita anexar este registro a uma pessoa de árvore genealógica que já existe no site. Além disso, aparecem alguns registros históricos semelhantes, que podem também se referir à mesma pessoa (é sempre recomendável ver estas sugestões).

ficha

Para visualizar o documento original, clique na lupa. Se for uma ficha mais recente, como esta do Raffaele Mario Rossi, que é de 1970, o documento conterá dados completos, como foto, aparência, data de desembarque, número de passaporte, assinatura, dentre outros:

ficha completa

Se for uma ficha mais antiga, como esta do Braz Rossi (emitida em 1943) os dados serão bem mais escassos e não conterá fotos. É imprescindível que em ambos os casos utilize as setas de navegação para visualizar a imagem seguinte, que contém o verso da ficha e muitas vezes algumas informações a mais. Na ficha antiga, geralmente é lá que está a data de desembarque e nome do vapor ou procedência:

Este slideshow necessita de JavaScript.

Para consultar as fichas consulares, o sistema é exatamente o mesmo. Lembrando que nesta coleção os registros não são somente de São Paulo. Neste caso, também é importante consultar o verso da ficha na página seguinte, que conterá informações importantes:

Este slideshow necessita de JavaScript.

Se você conseguir localizar fichas de seus antepassados nestas coleções, além das informações e imagens que encontrar, elas também poderão indicar novas fontes de pesquisa. Os originais das fichas da Delegacia Especializada de Estrangeiros de São Paulo estão sob a guarda do Arquivo Público do Estado de São Paulo, e é possível solicitar uma certidão com os dados da ficha, com fé pública, mediante solicitação no próprio site da instituição, e pagamento das taxas de emissão.

Como informei lá no começo, cada uma dessas fichas da Delegacia Especializada de Estrangeiros está relacionada a um prontuário com mais informações, e esses prontuários estão sob a guarda do Arquivo Nacional, no Rio de Janeiro (não faz sentido as fichas em São Paulo e os prontuários no Rio de Janeiro, mas enfim…).

Para obter uma cópia desses prontuários, é necessário fazer o cadastro no site do Arquivo Nacional e fazer a solicitação por meio do módulo de atendimento à distância:

arquivo nacional

Quando abrir sua solicitação, anexe as imagens do registro que localizou no Family Search, e o máximo de informações que tiver. Quando a pesquisa for concluída, você receberá pelo próprio sistema as cópias do prontuário. Caso queira cópias impressas, será preciso pagar as taxas de emissão e envio. A primeira vez que solicitei este serviço, após 2 meses recebi os arquivos. Já na última vez, levou cerca de 4 meses, e ainda recebi a resposta de que os arquivos não foram localizados. É preciso ter paciência, como em qualquer pesquisa genealógica.

Por fim, vale lembrar que só é possível pesquisar os prontuários dos Registros de Estrangeiro de São Paulo. As fichas consulares não tem prontuário arquivado em local nenhum (de acordo com o informado pelo Arquivo Nacional).

Espero que este post tenha te ajudado a ampliar seus horizontes de pesquisa!

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s